As pesquisas e as estratégias de cada um – Por Linaldo Guedes

Por Fonte83 - 16/10/2023

Mais uma rodada de pesquisas feitas pelo Instituto Índice com exclusividade para o Fontecz movimentou o cenário político cajazeirense semana passada. Quem é bem pontuado, compartilha e divulga a pesquisa; quem não é, ignora ou faz críticas, em um natural jus esperneandi. Mas olhando os números sem paixões políticas, não dá para ignorar que eles revelam muitas coisas, apesar de ser tudo conjecturas, pelo menos enquanto situação e oposição não definirem de fato quem são seus candidatos.

            Comecemos pela de vereador. Nessa, Alysson Voz e Violão e Raelsa Borges foram os mais bem pontuados, seguidos de perto por Lamarque Barros. Léa Silva manteve seu roteiro de sempre estar entre os nomes de vereadores lembrados pela população, Serafim surpreendeu com uma boa pontuação e Fábio do Bolsa Família mostrou que pode surpreender também. De qualquer forma, é muito alto, ainda, o número daqueles que não sabem ou não informaram em quem votar, em torno de 52%, o que deixa explícito que há ainda muita coisa em disputa para a Câmara Municipal.

            Para prefeito, as pesquisas espontânea e estimulada, mesmo com números e nomes diferentes, revelam situações parecidas. Na espontânea, onde o entrevistado fala o que lhe vem à cabeça, o nome do prefeito Zé Aldemir é o mais citado e o de Chico Mendes o segundo, embora nenhum dos dois possam se candidatar no próximo ano. Excluindo os dois, o nome mais citado da oposição é a Doutora Denise e da situação Neguinho de Mondrian. O número de indecisos também é alto.

            Na pesquisa estimulada, Neguinho de Mondrian e Dr. Pablo, ambos candidatos da situação, lideram com empate técnico, seguidos por Chico Mendes, o primeiro nome da oposição citado. Depois dele, o nome oposicionista mais bem colocado é Dr. Denise, abaixo, no entanto, dos situacionistas Socorro Delfino e Adjamilton Pereira. Nomes levantados como alternativa, a exemplo de Marquinhos Campos e João de Deus Quirino, não pontuam bem na pesquisa.

            Os números estão aí, para quem quiser lê-los e entendê-los. Fica claro que ainda não teve um nome a empolgar a população cajazeirense, que se divide entre tantas alternativas. Isso se deve, em parte, a estratégia das principais lideranças políticas do município da situação e oposição, que não assumem um nome único como candidato para disputar o pleito, num jogo de xadrez onde quem mexer a peça errada pode colocar a eleição no mato.

Assim, as escolhas dos eleitores ficam pulverizadas em mais de uma dezena de alternativas, quando sabemos que no pleito em si deveremos ter no máximo 4 ou 5 candidatos. E olhe lá! O certo é que a um ano do pleito, a julgar pelas pesquisas, não temos a menor ideia de quem será eleito prefeito de Cajazeiras em 2024. Pior: não sabemos nem ao certo quem serão, de fato, os candidatos.