Um 7 de Setembro com ares de democracia – Por Linaldo Guedes

Por Fonte83 - 06/09/2023

Há que se fazer ressalvas a alguns atos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Nem todas as suas ações administrativas agradam a população brasileira em sua unanimidade. Mas isso faz parte de qualquer gestão pública, já que não se pode agradar a todos. O que é incontestável é que o Brasil voltou a respirar ares de democracia plena, sem rompantes golpistas por parte do próprio presidente da República.

            Ano passado, por essa mesma época, o clima era tenso no país. E olha que o país estava comemorando os 200 anos da Independência! A data foi marcada pelo retorno dos desfiles militares que ficaram parados por dois anos por conta da pandemia. Em Brasília, além do desfile cívico-militar do feriado de Independência, a Esplanada dos Ministérios também recebeu manifestações de apoiadores do então presidente Jair Bolsonaro.

            Na época, uma série de mensagens circularam em grupos bolsonaristas no Telegram e no WhatsApp, espalhando planos falsos de tentativa de assassinato do presidente, além de falar em uma cassação da chapa à reeleição. Com uso de palavras como “guerra” e “bomba atômica”, as mensagens ganharam tom mais incisivo, segundo noticiário da imprensa, em setembro do ano passado. O alerta de que aquele 7 de Setembro seria a “segunda independência” do Brasil também aparecia em outdoors em Brasília.

            Este ano, o clima é bem diferente. Há, claro, queixas de bolsonaristas em protesto contra militares que não cederam aos apelos golpistas. Mas aparentemente não passam de queixas. O que fica de lição dos episódios do ano passado, com desdobramentos ainda hoje, é que não importa quem esteja na presidência do Brasil, desde que a democracia seja preservada.